BARATAS

Existentes a mais de 300 milhões de anos, as baratas já somam cerca de 5.000 de espécies no mundo. O corpo das baratas tem formato ovular e deprimido. Seu tamanho pode variar de alguns milímetros até quase 10 centímetros. A cabeça é curta, subtriangular, apresentando olhos compostos grandes e geralmente dois ocelos (olhos simples).

Em geral são de coloração parda, marrom ou negra, porém existem espécies coloridas. Nas zonas tropicais, predominam as de cor marrom avermelhada, além das cores verde e amarela.

O formato e o tamanho variam dependendo da espécie, mas em gênero podemos dizer que as fêmeas são maiores que os machos, porém os machos têm as asas mais desenvolvidas.

A maior barata tem aproximadamente 20 centímetros de comprimento. Já a menor cerca de 4 milímetros e por ser tão pequena, vive em ninhos de formigas.

As baratas gostam de ambientes úmidos e algumas espécies preferem lugares quentes.

A alimentação é variada. As baratas são insetos onívoros, ou seja, comem qualquer coisa, tendo principal atração por doces, alimentos gordurosos e de origem animal. Uma curiosidade é que podem viver uma semana sem beber e até um mês sem comer.

Conseguem perceber o perigo através de mudanças na corrente do ar à sua volta. Elas possuem pequenos pelos nas costas que funcionam como sensores, informando a hora de correr.

As baratas domésticas são responsáveis pela transmissão de várias doenças, através das patas e fezes pelos locais onde passam. Por isso são consideradas perigosas para a nossa saúde.

Mostraremos agora algumas espécies:

BARATA AMERICANA

Principais características:

  • Apresenta-se na cor marrom avermelhada
  • São voadoras
  • Gostam de lugares como porões, ralos, lixos e esgotos.
  • Comem de tudo.
  • Curiosidades: Têm grande atração por bebida alcoólica, em especial por cerveja.


BARATA ALEMÃ

Principais características

  • Apresenta-se na cor marrom claro.
  • Não voam
  • Come de tudo
  • Gostam de áreas como banheiros e cozinhas Curiosidades: Vivem em bando e são muito comuns em grandes infestações.
BARATA LISTRADA

Principais características

  • Possui duas manchas marrons amareladas nas asas.
  • Vive isolada.
  • Gosta de lugares quentes e úmidos
  • Come restos de tudo
  • Curiosidades: Não são dependentes de lugares úmidos como a maioria das espécies. Algumas vezes são confundidas com a barata alemã.


BARATA ORIENTAL

Principais características

  • Apresentam-se nas cores marrom escuro e preto brilhante.
  • São voadoras
  • Gostam de lugares frios e úmidos como porões e ralos.
  • Comem de tudo
  • Curiosidades: Os machos são maiores do que as fêmeas.

AS FORMIGAS

O mundo dos insetos é predominante entre todas as espécies sobre a face da terra. E quem domina esse vasto e estranho mundo formado por pequenos seres, são as formigas. Pertencem à ordem Hymenoptera, o mesmo grupo das vespas e das abelhas. As formigas são insetos sociais que vivem juntos em colônias. Todas as espécies se agrupam em uma única família chamada de família Formicidade. Mesmo assim, as diferenças entre as diversas espécies são acentuadas, variando desde a formiga comum até as rurais especializadas em cortar folhas e outras partes vegetais para garantir a própria sobrevivência. As colônias são de porte médio a grande, com muitas rainhas. Novas colônias são provavelmente formadas pela migração de uma ou mais rainhas acompanhadas por um número de operárias.Estas possuem o hábito de se movimentar em fileiras perfeitas. São importantes pragas domésticas, pois consomem vários tipos de alimento, tendo preferência por substâncias adocicadas, como açúcar, bolos e outros.. . Esses insetos se distribuem por todos os continentes, exceto os pólos. Ao total, existem cerca de 18.000 espécies de formigas, sendo que 10.000 já foram descritas. No Brasil são cerca de 2.000 espécies. Os problemas trazidos por formigas podem variar do simples incômodo a picadas e até mesmo a infecções hospitalares. Segundo pesquisadores, há entre 20 e 30 espécies de formigas que vivem em estreito contato com o homem. Entre as mais comuns estão a formiga-fantasma (Tapinoma melanocephalum); a formiga-louca (Paratrechina longicornis ou Paratrechina fulva); a formiga argentina (Linepithema humile); a formiga-faraó (Monomorium pharaonis ou Monomorium floricola); a formiga-do-fogo ou pixixica (Wasmannia auropunctata), e também as dos gêneros acrobatas, carpinteiras, lava-pés e cabeçudas, além de saúvas (ou cabeça de vidro) e quenquéns estas mais encontradas no meio rural.

FORMIGA FANTASMA

Este é um grupo de operárias pequenas. Geralmente, fazem trilhas irregulares, andam em ziguezague e preferem alimentos adocicados. Seus ninhos são feitos dentro e fora das residências, atrás de azulejos, batentes e rodapés. Além disso, não se fixam em um lugar por muito tempo.


FORMIGA-LOUCA URBANA


O nome “louca” é devido ao andar irregular dessa espécie, quase em semicírculos. Possuem antenas longas, um tipo de “nó” na cintura e uma cor variada que vai do marrom escuro ao preto. Costumam fazer seus ninhos fora e dentro de prédios, atrás de pedras usadas em revestimentos de paredes e atrás de janelas.

FORMIGA ARGENTINA URBANA

Esta espécie tem maior ocorrência nos estados da região sul do Brasil. Nos países de clima temperado são muito comuns dentro das residências e hospitais. São do mesmo tamanho, apresentam um nó na cintura e sua cor varia do marrom claro ao marrom escuro. Geralmente fazem ninhos perto de fontes de alimentos e de água, como vasos de plantas, pias e encanamentos, além disso, dão preferência a alimentos adocicados.

FORMIGA FARAÓ

Possuí dois nós na cintura e antenas com 12 seguimentos. Suas cores vão do amarelado ao marrom claro. Fazem ninhos em pequenas cavidades somente em ambientes domésticos e preferem alimentos ricos em gorduras e substâncias doces. Além disso, representam um risco potencial para a saúde pública, especialmente quando ocorrem em hospitais, pois são vetores mecânicos de bactérias que possibilitam infecções, podendo também infestar berçários. Podem infestar aparelhos eletrônicos. É considerada uma das espécies mais difíceis de serem controladas, pois é altamente dominante sobre outras espécies e a colônia tem crescimento rápido.

FORMIGA-DO-FOGO OU PIXIXICA

As operárias são pequenas e de cor marrom claro dourado. Geralmente constroem ninhos no solo ou na parte interior ou sob a casca das árvores. Sua picada é muito dolorosa e o veneno pode causar alergias. São atraídas por carne e óleo e podem infestar roupas, camas e berços. Podem ser combatidas com aplicação de inseticidas diretamente no ninho.


FORMIGAS ACROBÁTICAS


As operárias são do mesmo tamanho e sua coloração varia desde o amarelo ao marrom escuro. São lentas e geralmente andam em formato de trilhas retas. Podem fazer ninhos em edifícios, no interior ou exterior de madeiras. Alimentam-se de doces, manteiga e carnes. Quando se sentem ameaçadas, levantam o gáster (cauda) eliminando uma substância química.

FORMIGAS CARPINTEIRAS

Existem mais de duzentas espécies desse gênero, originárias em diferentes regiões. Podem apresentar operárias de vários tamanhos e um colorido do amarelo ao preto. Podem construir ninhos tanto fora (no solo e árvores) como dentro de casa (móveis, portas, paredes e batentes de janela. Sua alimentação é, de preferência, adocicada, podendo ser até de carne e ovos. Algumas espécies tem hábitos noturnos.

FORMIGA LAVA-PÉ

Originárias da América do sul, as formigas lava-pés possuem várias espécies, o que as torna de difícil identificação. Sua cor varia do amarelo claro até o preto brilhante. Sua picada é dolorida, provoca bolhas, alergias e até choque anafilático. Alimentam-se de plantas, animais e alimentos domésticos. Geralmente, fazem seus ninhos fora de casa e formam um montículo de terra solta. Se alimentam de plantas, animais e alimentos domésticos.

FORMIGA CABEÇUDA

Este gênero é originário da África Tropical. As operárias podem variar entre menores, sendo a maioria, e maiores e cabeçudas que são chamadas de ‘soldados’. A cor varia do avermelhado ao marrom. Em geral, fazem seus ninhos no solo, fora dae residências, porém podem fazer dentro, também. Alimentam-se de produtos ricos em proteínas e sucos de frutas.


FORMIGA SAÚVA


A Saúva é originária do continente americano. Possuem as cabeças grandes e três pares de espinhos. Os ninhos podem ser feitos em locais sombreados ou ensolarados, além de ter um monte de terra em volta. Alimentam-se basicamente da seiva que as plantas liberam enquanto são cortadas. Cultivam fungos, que é o principal alimento das rainhas e das larvas e, é complemento no alimento das operárias.

FORMIGA QUENQUÉM

As quenquém operárias possuem 4 a 5 pares de espinhos dorsais e seu tamanho pode variar entre 8 e 10 milímetros de comprimento. Algumas espécies fazem o ninho superficialmente coberto de palha, fragmentos e resíduos vegetais. Já outras, preferem fazer o ninho subterrâneo. Cortam principalmente florestas cultivadas de eucaliptos e de pinus, além de citrus, para produzirem fungos. Essas são as principais de 30 espécies de consideradas pragas dentro de 2.000 espécies de formigas encontradas em nosso país. As duas últimas do gênero das cortadeiras, existindo no Brasil, 10 espécies de Saúvas e 29 de Quenquéns. As demais são consideradas “do bem”, aliás, nos podemos dizer que são nossas amigas. Elas dispensam sementes contribuindo para o reflorestamento de ecossistemas como o Cerrado, a Mata Atlântica, a Caatinga e os Campos. Além disso, elas promovem a germinação das sementes, fazem a poda de algumas plantas, contribuem na aeração do solo e ainda são predadoras de diversas pragas agrícolas. As Formigas são conhecidas pela sua organização social, com divisão de castas de trabalho e casta reprodutiva. Em geral, as operárias não se reproduzem, ou em alguns casos de algumas formigas, se reproduzem apenas muito raramente. As rainhas geram a casta das operárias e também as futuras rainhas que voarão e se reproduzirão fora do ninho, formando novas colônias. As operárias não deixam descendentes. Quando ocorre a morte da formiga rainha, a colônia é capaz de sobreviver somente alguns meses, porém, se houver mais de uma rainha numa mesma colônia (como ocorre em algumas espécies), a morte dela não representa o fim da colônia, que pode durar eternamente.

ARACNÍDEOS


Artrópode da classe dos aracnídeos (ordem Araneida). Apresenta cores variadas, e, quanto ao tamanho, vai do quase invisível a olho nu até espécies de mais de 20 cm. Todas as aranhas são predadoras e sua dieta inclui de insetos tais como: moscas,mosquitos, grilos, gafanhotos, baratas etc. Apesar de poucas aranhas possuírem a capacidade de intoxicar o homem, todas as aranhas são venenosas.

As aranhas se distinguem de outros aracnídeos por terem a cabeça e o tórax separados do abdômen por uma estreita cintura. Suas garras são usadas para segurar, picar e triturar a presa. A maioria das aranhas usa veneno para matar suas presas. Na ponta das garras ficam duas estruturas semelhantes a seringas, ocas e pontiagudas, usadas para picar o corpo da presa e injetar o veneno, que é produzido em glândulas especiais.

A maioria das aranhas têm 8 olhos. Algumas têm 6, 4 ou 2 olhos, ou mesmo nenhum. Algumas aranhas de caverna são cegas.

Seu aparelho respiratório funciona por meio de pulmões (pulmões foliares) e por traquéias. Existem aranhas que têm apenas pulmões e aranhas que têm apenas traquéias. A maioria tem ambos os tipos.

As aranhas possuem circulação de sangue em seu organismo. O coração situa-se na parte dorsal do abdômen.

É um animal que apresenta o esqueleto externo, conhecido como exoesqueleto, formado por uma substância chamada de quitina.

Os pêlos das aranhas não causam somente arrepios aos que tem fobia só de olhar um animal com muitas patas. São elementos importantes e de vital importância em sua sobrevivência. Os pêlos funcionam como sensores de deslocamento de ar.

As aranhas possuem hábitos diurnos e noturnos. As espécies noturnas, onde estão as caranguejeiras, possuem a visão deficiente e não reconhecem pessoas como agressores. A agressividade existe quando um conjunto de situações informa ao animal que ele está vulnerável ali existe uma presa. Estas reações envolvem, principalmente, movimentos bruscos, deslocamentos repentinos de ar, qualquer situação que envolva manuseio, contenção ou captura.

VEJAMOS AGORA ALGUMAS ESPÉCIES: 
NOME CIENTÍFICO: GRAMMOSTOLA PULCHRA
NOME CUMUM: BRAZILIAN BLACK, CARANGUEJEIRA NEGRA BRASILEIRA.

Este animal é muito recomendado para criadores principiantes, apesar de muito robusta. É originária da região Norte do Brasil. Infelizmente não existem exemplares à venda no Brasil, pois sua comercialização é proibida.Seu comportamento é pouco agressivo e dificilmente libera pêlos sendo por isso as melhores para iniciantes.

NOME CIENTÍFICO: LASIODORA PARAHYBANA
NOME COMUM: BRAZILIAN SALMON PINK ,CARANGUEJEIRA ROSA BRASILEIRA

Esta é uma das maiores do Brasil sus origem é o nordeste brasileiro.Seu comportamento é agressivo e não deve ser manipulada, chega a viver de 12 à 15 anos. Se alimenta de grilos, gafanhotos, baratas, etc. Esta espécie é uma das maiores aranhas do mundo.

NOME CIENTÍFICO: HYSTEROCRATES GIGAS
NOME COMUM: CAMERON RED BABOON

Esta espécie de origem africana prefere clima de alta umidade. Podem chegar até 25 cm, e gostam de ficar em suas tocas durante todo o dia, somente saindo para caçar a noite. Seu comportamento agressivo não permite o manuseio com facilidade.

NOME CIENTÍFICO: HAPLOPELMA LIVIDUM
NOME COMUM: COBALT BLUE

Como diz o nome sua coloração azul metálica impressiona até os mais céticos. Infelizmente pela sua agressividade é uma espécie somente recomendada para pessoas que já possuem profunda experiência no assunto em criatório deste animal. Sua origem é asiática, podendo chegar ao tamanho de 13 cm, também gosta de muita umidade. Apesar de sua beleza, somente recentemente foi sendo distribuída para criação, e até onde se conheça não existem relatos de reprodução em cativeiro.

NOME CIENTÍFICO: CERATOGYRUS SP.
NOME COMUM: CRANIAL HORNED BABOON

Espécie originária das savanas africanas. Seu tamanho varia de 9 a 13 centímetros, esta espécie prefere se esconder sob pedras e cascas de árvores do que ficar em buracos. É uma espécie extremamente agressiva dificultando seu manuseio.

NOME CIENTÍFICO: BRACHYPELMA ALBOPILOSUM
NOME COMUM: CURLY HAIR

Este é um animal pouco agressivo e que também quase não solta pêlos sendo assim também recomendado para criadores principiantes, seu país de origem é o México, embora também exista em toda a América Central. Como o próprio nome já sugere, é uma espécie que possui muito pelos crespos, seu tamanho pode atingir até13 cm.

NOME CIENTÍFICO: THERAPHOSA BLONDI
NOME COMUM: GOLIATH BIRD EATER

Considerada a maior aranha do mundo, como o próprio nome diz, originaria da região amazônica do Brasil, Guiana, Suriname e Venezuela. Pode se alimentar de pequenos pássaros, roedores, lagartos, sapos, bem como de outras aranhas. É muito conhecida no meio de criadores, e também um grande alvo a ser atingido pelos mais entusiasmados. Chegam facilmente a 25 centímetros, sendo que existem relatos de animais com até 40 cm.. Seus pêlos abdominais são extremamente irritantes e sua picada pode causar fortes náuseas. Esta espécie só deve ser manipulada por pessoas com experiência, pois ela tem um comportamento agressivo com veneno ativo no homem. Pode viver até os 10 anos.

NOME CIENTÍFICO: POECILOTHERIA REGALIS
NOME COMUM: INDIAN ORNAMENTAL

Apesar de ter um nome simpático é uma espécie muito venenosa, muito agressiva e uma das mais rápidas da natureza. Provavelmente é a tarântula mais perigosa distribuída entre os criadores, e uma picada da Indian Ornamental implicará, seguramente, em internação hospitalar, pois seu veneno é ativo no homem. Sua criação somente deve ser feita por profissionais qualificados.

NOME CIENTÍFICO: CITHARISCHIUS CRAWSHAYI
NOME COMUM: KING BABOON

Esta é mais uma espécie considerada uma das grandes, podendo chegar a 20 a 25 cm. Originária das savanas africanas, aonde se alimenta até de camundongos adultos ou de qualquer outro animal que seja menor que ela. Esta espécie já prefere clima seco, sendo a segunda maior aranha africana. Seu comportamento é muito agressivo, não sendo recomendada a manipulação deste animal por criadores não qualificados para tal. Sua longevidade chega de 5 à 10 anos. Este animal quando se sente ameaçado emite um tipo de som semelhante ao barulho de um chocalho, provavelmente para afastar o predador.

NOME CIENTÍFICO: BRACHYPELMA EMILIA
NOME COMUM: MEXICAN FIRELEG, CARANGUEJEIRA DE PERNAS DE FOGO

Esta é uma das mais belas na natureza, originária do México. Por ser extremamente bela houve muita captura destes animais na natureza que foram classificadas em perigo de extinção. Sua reprodução é difícil de ser obtida em cativeiro, mas hoje algumas aranhas podem ser encontradas nos Estados Unidos e Europa advindas de criadores particulares. É uma espécie pouco agressiva sendo de fácil manejo, mas somente deve ser manipulada por criador qualificado.

NOME CIENTÍFICO: BRACHYPELMA SMITH
NOME COMUM: MEXICAN RED KNEE

A caranguejeira Mexican Red Knee, é a mais usada como animal de estimação em todo o mundo. Sua beleza inigualável junto a pouca agressividade, leva esta espécie entre todas as tarântulas, a ser a campeã entre todas as tarântulas comercializadas. É originária do México, aonde se adaptou a substituição de seu habitat natural pelas plantações de banana daquela região. São também muito utilizadas como atrizes coadjuvantes em grandes cenas filmes de terror. Esta espécie foram tão capturadas na natureza, que acabaram por receber a classificação de ameaçada de extinção. Felizmente sua reprodução em cativeiro é abundante e hoje esta espécie esta fora desta classificação.

NOME CIENTÍFICO: GRAMMOSTOLA SPATHULATA
NOME COMUM: ROSE HAIR, TARÂNTULA ROSA CHILENA.

É chamada de Rose Hair por possuir pêlos avermelhados É também um animal muito recomendado para criadores iniciantes. É uma das aranhas mais comercializadas e criadas em cativeiro em todo o mundo. Consegue reproduzir-se em terrários pequenos, e é muito resistente. Originária do Chile tem um comportamento pouco agressivo e raramente libera pêlos. Sua longevidade é de até 10 anos. Têm um temperamento calmo de fácil manuseio, pois não tem o costume de picar. Alimenta-se de grilos, baratas, gafanhotos e até mesmo neonatos de camundongo.

NOME CIENTÍFICO: AVICULARIA VERSICOLOR
NOME COMUM: ANTILLES PINK TOE

Originária das Antilhas. Mede cerca de 10 centímetros e tem uma longevidade de 5 a 10 anos. Seu temperamento é calmo, sendo manuseada com facilidade, sem que venha a estressar o animal. Alimenta-se de baratas, grilos e gafanhotos.

NOME CIENTÍFICO: HYSTEROCRATES HERCULES
NOME POPULAR: HERCULES TARANTULA, AFRICAN GOLIATH TARANTULA.

Originária da África Che a medir até 25 centímetros e viver até 10 anos Seu temperamento é agressivo de difícil manuseio pois pica com facilidade. Sua dieta inclui baratas, grilos, gafanhotos e eventualmente um neonato de camundongo.

NOME CIENTÍFICO: EPHEBOPUS MURINUS
NOME POPULAR: SKELETON TARANTULA.

Originária do norte do Brasil e Guiana Francesa medem cerca de 13 centímetros. Sua longevidade não ultrapassa os 10 anos. Seu temperamento é agressivo, não devendo ser manipulada, pois pica e solta pêlos com facilidade. Alimenta-se de grilos e gafanhotos.

NOME CIENTÍFICO: AVICULARIA METALICA
NOME POPULAR: TARÂNTULA DE BOTAS.

Sua origem vem do Brasil, Guiana e Suriname, mede cerca de 12 centímetros e sua longevidade é de 5 a 10 anos. Tem um temperamento calmo. Sua dieta inclui grilos, baratas e gafanhotos. Esta é uma das mais bonitas espécies de tarântulas, fácil de cuidar, se adapta bem ao cativeiro, costuma ser calma ao ser manuseada sendo uma boa opção para criadores iniciantes. Esta espécie possui hábitos arbóreos.

NOME CIENTÍFICO: LOXOSCELES GAUCHO, L. LAETA, L. INTERMEDIA
NOME COMUM: ARANHA MARROM

É a aranha brasileira que possui veneno mais ativo. Tem uma coloração marrom esverdeada seu corpo total raramente ultrapassa os 3 centímetros. É uma espécie de aranha doméstica, encontrada em locais escuros e úmidos como quina de pias, rachaduras de parede, livros, telhas e tijolos empilhados. Tem como característica a teia similar a um chumaço de algodão. Muitas aranhas inofensivas se parecem e vivem nos mesmos locais da aranha marrom, mas, somente um especialista tem condição de fazer a distinção com segurança. Devido à sua fragilidade, seus acidentes ocorrem quando ela penetra dentro da roupa e, ao vestir, são pressionadas e picam. Como sua picada não é muito dolorida muitas vezes a pessoa pensam tratar-se de alguma "farpa" presa à roupa e não dão muita importância. Seu veneno produz necrose no local da picada. É necessário soroterapia específica e acompanhamento médico.

NOME CIENTÍFICO: PHONEUTRIA NIGRIVENTER
NOME COMUM: ARANHA ARMADEIRA

Esta espécie e dada como a mais agressiva do mundo, ergue-se apoiada sobre as patas traseiras e salta sobre o agressor, que muitas vezes é atacado sem saber. Costuma viver em locais onde existem bananeiras, lenhas, telhas e tijolos empilhados e terrenos baldios. Tem hábitos noturnos e não tem moradia fixa podendo entrar dentro de casas e, ao amanhecer, abrigar-se em sapatos e botas, causando acidentes quando são vestidos. Seu veneno tem ação neurotóxico, é extremamente dolorido e pode levar a vítima ao “estado de choque”, e até a morte quando se trata de crianças pequenas e pessoas de idade. Os adultos que suportam a dor recebem tratamento local com anestésicos e anti-histamínicos. Casos mais graves necessitam soroterapia e acompanhamento médico.

NOME CIENTÍFICO: LATRODECTUS CURACAVIENSIS
NOME COMUM: VIÚVA NEGRA

As viúvas-negras são aranhas muito conhecidas, tanto pelo fato de matarem os machos após o acasalamento como também pelo seu 'veneno fatal'. São pequenas, medindo cerca de 3 centímetros. Uma de suas principais características é um desenho avermelhado, na região inferior do abdome, em forma de ampulheta. 
O veneno das viúvas-negras brasileiras é muito menos tóxico do que aqueles presentes nas espécies européias. No Brasil existem poucos casos considerados graves e muitas vezes estão associados à sensibilidade do picado. Seu veneno tem ação neurotóxico.

Escorpionídeos


O corpo dos escorpiões é igual ao das aranhas, com uma única diferença: o abdome é dividido em duas partes, pré-abdome e pós-abdome. No pós-abdome, encontra-se a glândula que produz o veneno, que o animal injeta na vítima com um aguilhão.

O maior de todos os escorpiões pode atingir até 21 cm e o menor chega no máximo a 12 mm quando adulto.

Os escorpiões se destacam entre os aracnídeos por terem uma duração de vida que vai além de uma estação. Sua longevidade vai dos 2 aos 6 anos. O maior tempo de vida registrado para um escorpião chega até 8 anos.

Os escorpiões podem viver tanto em lugares desertos quanto nas matas. Vivem também debaixo de pedras, tijolos, telhas e nas fendas das árvores. Acumular entulhos de obras e lixo em quintais e terrenos baldios onde se propaga insetos que constituem um ótimo ambiente para os escorpiões que encontram uma dieta constituída de: aranhas, baratas, grilos e moscas. Quando não encontra comida, os escorpiões praticam o canibalismo, isto é, devoram-se uns aos outros.

O atributo mais notório de um escorpião é seu ferrão venenoso. O veneno dos escorpiões é neurotóxico. Sua ação é muito rápida e forte. A dor é intensa se irradiando por todo o corpo da vítima. Agindo especialmente sobre o sistema nervoso, pode causar a morte por asfixia, pois os comandos que controlam a respiração ficam bloqueados. O soro anti-escorpiônico é o único remédio eficaz contra as ferroadas dos escorpiões. Todas as espécies de escorpião são venenosas.

Entre as cerca de 1050 espécies conhecidas, apenas um pequeno número é perigoso para os seres humanos a maioria produz uma reação semelhante à da ferroada da abelha, que é muito dolorosa, embora geralmente não ofereça perigo de morte.

Para os insetos, que são alimento potencial de escorpiões, todos os escorpiões são mortalmente venenosos.

Vejamos agora algumas principais espécies deste animal:

Nome científico:Tityus serrulatus
Nome comum: escorpião amarelo

Mede cerca de até 7cm de comprimento. Apresenta o tronco escuro, patas, pedipalpos e cauda amarela sendo esta serrilhada no lado dorsal. Considerado o mais venenoso da América do Sul, é o escorpião causador de acidentes graves, principalmente no Estado de Minas Gerais.

Nome científico: Tityus bahiensis

Apresenta uma coloração marrom-escuro, às vezes marrom-avermelhado, pernas amareladas com manchas escuras. Fêmures e tíbias dos pedipalpos com mancha escura. A mão do macho é bem dilatada. Esta espécie é o causador dos acidentes mais freqüentes em São Paulo

Nome Científico: Bothriurus araguayae

O Bothriurus araguayae é um animal inofensivo não oferecendo perigo algum, por isto, é uma espécie apenas controlada para a preservação.

Nome científico: Tityus stigmurus

Apresenta uma coloração amarelo-claro com um triângulo negro na cabeça e uma faixa longitudinal mediana e manchas laterais no tronco.

Nome científico: Tityus cambridgei 

Apresenta colorido geral castanho-avermelhado, com pontos de cor clara. O macho apresenta uma cauda mais longa que a fêmea.

Nome científico: Tityus trivittatus

Apresenta colorido amarelo-escuro, com três faixas longitudinais quase negras, podendo haver pequenas variações na cor. Atinge cerca de 7cm de tamanho.

Nome científico: Pandinus Imperator
Nome comum: Escorpião Imperador

O Escorpião Imperador (pandinus imperator) é uma espécie noturna originária da zona oeste do continente africano. De cor preta, quando colocado sob uma luz negra exibe uns reflexos verdes lembrando um tom metálico. Os escorpiões Imperador são quase cegos, mas, possuem pêlos sensoriais ao longo do corpo que suprem esta deficiência.

 

LACRAIAS E CENTOPEIAS


Apresentam o corpo alongado e achatado dorso. Possuem na cabeça um par de longas antenas, um par de mandíbulas e dois pares de maxilas.
As lacraias ou centopéias são animais terrestres, de vida solitária e carnívoros, alimentando-se principalmente de minhocas, vermes, grilos, baratas, etc..
Inseto de hábitos noturnos, elas são muito ativas, correndo rapidamente a procura de sua presa que é detectada, e muitas vezes imobilizada, através da inoculação do veneno.
Alojam-se sob pedras, cascas de árvores, folhas no solo, troncos em decomposição. Em áreas residenciais são encontradas em hortas, entulhos, vasos, xaxins, sob tijolos e gostam de ficar em qualquer parte da casa que não receba luz solar e seja úmida. Seu esconderijo dá proteção não apenas contra os predadores, mas também contra a desidratação. São animais extremamente ágeis.
Os sexos estão separados em indivíduos diferentes (machos e fêmeas). A fecundação é interna: o macho deposita suas células sexuais no corpo da fêmea, dentro da qual encontram as células sexuais femininas.
São animais peçonhentos, uma vez que possuem veneno e podem dar picadas dolorosas, seu veneno não é muito ativo no homem, depende muito de cada pessoa.

Moscas


Este inseto possui apenas um par de asas membranosas correspondente às asas anteriores. Estes insetos apresentam metamorfose completa, isto é, apresentam as fases de ovo, larva, pupa e adulto.

Pode-se reconhecer as moscas pela cabeça, nitidamente distinta e móvel, com dois grandes olhos facetados. Algumas possuem o aparelho bucal com capacidade para absorver líquidos enquanto que em outras o aparelho bucal é do tipo picador.

Do ponto de vista benéfico algumas são importantes para o homem, tais como as espécies que são utilizadas como animais experimentais principalmente para estudos genéticos. Algumas espécies são utilizadas como agentes de controle biológico de plantas daninhas bem como de insetos pragas. Outras já são prejudiciais ao homem pois provocam doenças e servem de hospedeiros para agentes patogênicos.

Inseto muito comum em áreas rurais e urbanas. No ambiente urbano algumas espécies adaptaram-se bem às condições criadas pelo homem, enquanto outras não apresentam tolerância ao processo de urbanização.

Normalmente estes insetos alimentam-se de fezes, escarros, pus, produtos animais e vegetais em decomposição, açúcar, frutas entre outros.

O alimento ingerido só pode ser liquido ou pastoso e para isso a mosca lança uma substância (saliva) sobre o mesmo para dissolver e assim poder ingeri-lo, pois não consegue colocar nada sólido para dentro do organismo.

Este inseto é muito ativo durante o dia a noite ele repousa. Os locais visitados pelas moscas apresentam manchas escuras, produzidas pelo depósito de suas fezes, e manchas claras, provocadas pelo lançamento de saliva sobre o alimento, para que depois possa ser sugado.

 

Nome popular: Mosca Negra dos Citrus
Nome Científico:Aleurocanthus woglumi

De origem Asiática, este inseto também é encontrado na África e nas Américas. No Brasil em julho de 2001 foi encontrada em Belém no estado do Pará, daí foi se proliferando tornando-se uma ameaça a citricultura.

Apesar deste inseto se desenvolver melhor com as plantas cítricas, ela pode se hospedar em mais de 300 espécies de plantas, como as videiras, mangueiras, mamoeiros, pereiras etc.

Ela pode ser encontrada o ano todo, mas, a sua reprodução é baixa nas épocas de frio. A fêmea coloca os ovos em forma de espiral sobre as folhas, em grupos de 35 a 50, eclodindo de 4 a 12 dias, dependendo do clima. A fêmea pode gerar 100 ovos em seu ciclo vital.

As ninfas muito ativas são de coloração negra, achatadas e com seis pernas. Em pouco tempo começam a sugar a seiva das folhas.

As ninfas perdem as pernas no processo de mudança de pele. Após três estágios de ninfa, transforma-se em adulto. Fêmea e macho possuem asas

No processo de alimentação este inseto danifica as folhas novas em crescimento. Ela elimina um líquido onde cresce o fungo causador da fumagina que cobre as folhas e frutos, reduzindo a respiração e fotossíntese, ocorrendo assim a redução da frutificação.


Nome popular:
mosca-branca
Nome científico: Bemisia tabaci

Este inseto polífago foi observado reproduzindo-se em várias espécies de vegetais. Este inseto tem aumentado de maneira assustadora nos últimos anos em países das Américas e da Bacia do Caribe.

No Brasil, foi detectada em 1991, na região de Campinas, Estado de São Paulo, com altas infestações nos municípios de Paulínia, Holambra e Jaguariúna, afetando principalmente plantações de abóbora, abobrinha, tomate, brócolis, berinjela e plantas ornamentais.

Recentemente, foi detectada no Vale do São Francisco (PE e BA), causando sérios problemas cultivo de tomate industrial e de cucurbitáceas. Há pouco, sua ocorrência foi relatado também em Mossoró (RN), principal pólo produtor de melão do Brasil, tornando-se uma grande ameaça a esse cultivo.

A fêmea põe os ovos na face inferior das folhas, numa média de 160 ovos por fêmea. No seu primeiro estágio ao eclodirem dos ovos, as ninfas são moveis. Após selecionarem um local, introduzem seu estilete e se fixam, não se movendo mais. Os adultos emergem depois do quarto estágios.


Nome popular:
Mosca do figo
Nome científico: Zaprionus indianus

Como o nome popular mesmo diz foi detectada no Brasil pela primeira vez como a praga do figo em 1999, causando muitos danos.

Uma das principais características deste inseto é que, ao contrário das outras moscas, que atacam frutos em estado de decomposição, ela ataca o figo no início de maturação, causando seu apodrecimento.

Ela já foi detectada em 74 espécies de frutos, como abacaxi, abacate, mamão goiaba, caqui e acerola, mas somente no caso do figo é considerada como uma praga.

Outra característica importante é a rapidez de reprodução da praga. Ela leva por volta de quinze dias para atingir a idade adulta, e se reproduz em grande quantidade. Na fase adulta esta mosca pode viver por longo tempo, sendo que grande parte deste período ela se mantém fértil, isto é, continua a colocar ovos viáveis.


Nome popular:
Mutuca de cavalo
Nome Científico:Tabanus bovinus

Este inseto tem a cabeça mais larga que o tórax, aparelho bucal tipo picador-sugador, tem as mandíbulas fortes afiadas e serrilhadas que se cruzam como as lâminas de uma tesoura Esse inseto suga o sangue de sua vítima, usando seu aparelho sugador e , finalmente, usa um anticoagulante para que o sangue não coagule. Doloroso e prejudicial a picada da mutuca, transmite moléstias como a doença do sono ao ser humano na África e aos cavalos na Índia.

As larvas da mutuca têm a forma de cones alongados. São carnívoras e alimentam-se de pequenos invertebrados da água doce.Têm dois ganchos na cabeça e o abdome almofadado. Isso lhes permite rastejar em chão úmido ou sobre plantas aquáticas.


Nome popular:
Mosca do chifre
Nome científico: Haematobia irritans

Este inseto tornou-se um sério problema nas criações de bovinos do País. Até bem pouco tempo este inseto não existia no Brasil Atualmente sua incidência é bem grande no país.

A principal característica deste inseto é que é que milhares pousam sobre um bovino que passa a ter inclusive dificuldade de se alimentar pelo incômodo que as intermináveis picadas destes insetos provocam.

Com dificuldade de se alimentar o animal emagrece rapidamente causando sérios prejuízos se não forem tomadas as medidas adequadas.

Este inseto pode também transmitir uma filaria que provoca lesões ulcerativas na pele do animal.


Nome popular:
Mosca doméstica
Nome científico: Musca domestica

É a espécie mais importante, pois além de ser extremamente bem adaptada ao ambiente, é bastante incômoda e pode transmitir mais de uma centena de organismos patogênicos (vírus, bactérias, protozoários, helmintos) para o homem e animais domésticos.

Os ovos deste inseto são brancos e alongados, medindo cerca de menos de 1 mm. São colocados massas de 75 a 170 ovos de cada vez, num total de 500 a 800, depositados em qualquer matéria orgânica fermentável como lixo, fezes, etc.

As fêmeas colocam os ovos em criadouros localizando-os através de órgãos do olfato existentes nas antenas e se posicionam de tal forma que os ovos são colocados nos locais mais úmidos e sombreados. Em 24 horas, as larvas de primeiro estágio eclodem, passando por dois outros estágios, durando de cinco a oito dias, mas, durante o inverno, o desenvolvimento larvar pode prolongar-se por várias semanas.

No primeiro estágio, ela mede cerca de 2 mm de comprimento e no terceiro de 10 a 14 mm. As larvas são de coloração clara e movimentam-se ativamente. Alimentam-se de substâncias solubilizadas e principalmente de bactérias que melhora o desenvolvimento desse inseto. Alimentam-se constantemente, digerindo uma grande variedade de substâncias animais e vegetais, principalmente as açucaradas. Antes de ingerir o alimento, depositam uma gota de saliva sobre o mesmo para dissolvê-lo e em seguida o sugam.

As moscas adultas vivem cerca de 30 dias. Este inseto é atraído por diferentes odores chegando a voar cerca de 1.000 a 3.000 m em 24 horas.

As moscas são transmissores de doenças ao ser humano. Após terem pousado sobre fezes, feridas e animais mortos, elas podem pousar sobre o alimento humano e contaminá-lo, depositando sobre este as bactérias contidas na sua saliva, patas e cerdas do seu corpo.

Nome popular: Varejeira azul
Nome científico: Calliphora vomitória

Medindo aproximadamente 11mm este inseto de hábitos esquisitos voa muito rápido e pousa em qualquer lugar inclusive no teto de cabeça para baixo.

Sendo encontradas nos lixões, abatedouros, pocilgas feiras livres, casas ou próximo a elas de preferência na cozinha em geral onde existe carnes expostas. Pousando em alimentos descobertos.

Este inseto tem um olfato tão apurado que percebe a presença de alimentos a distância, chegando até ele pelo faro. Adoram carne, principalmente as carnes podres. Como outras espécies, não comem nada sólido por isso antes de comer expele pela boca um suco digestivo jogando por cima do alimento tornando-o mole e fácil de ser sugado.

O adulto possui coloração azul metálico e cabeça amarelada. A larva penetra na pele em alguma ferida existente, sendo incapaz de penetrar na pele sã causando no homem e animais as míiases (bicheiras).

Nome popular: Mosquinhas ou mosca da banana
Nome científico: Drosophila melanogaster

Este inseto também conhecido como mosca-do-vinagre, mosca-da-banana ou mosca-de-frutas possui características tais como: serem amareladas, possuírem receptáculo ventral relativamente longo, testículos espiralados medianamente longos, as larvas não saltam, pentes sexuais presentes nos machos.

Nativas das regiões tropicais e subtropicais do Velho Mundo, sendo que algumas delas hoje estão amplamente distribuídas.

O desenvolvimento deste inseto, incluindo a fertilização e a formação do zigoto, ocorre dentro das membranas do ovo. Sofre metamorfose completa: ovo, larva, pupa e imago. A duração de seu desenvolvimento varia de acordo com a temperatura.

Sua alimentação baseia-se principalmente fungos e bactérias, de onde retira os açúcares necessários a sua alimentação.

As fêmeas necessitam uma grande quantidade de açúcares e lêvedos para a produção de ovos e as larvas alimentam-se também de líquidos e leveduras bem como os adultos.


Nome popular
: Mosca Tse-tse
Nome científico:Glossina palpalis

Um sulco na frente da cabeça. Linhas brancas no abdome. Asas transparentes.Existem três variedades de tsé-tsé, todas cores de âmbar e com a boca em forma de um tubo delgado e medindo cerca de 2 centímetros de comprimento.

São sugadoras de sangue; transportam tripanossomos, que são parasitas unicelulares do sangue dos animais. Esses protozoários podem infectar vários animais ao serem picados pela tsé-tsé. Cavalos, zebras e jumentos são atacados por uma das espécies. Outra espécie causa no homem a doença do sono.

Seu habitat original é na Bacia do Congo onde foram desenvolvidos vários tratamentos contra a doença do sono.

Como muitos insetos, essa mosca não põe ovos, mas sim as larvas, diferentemente no solo, onde se enterram. Poucas horas depois elas se tornam pupas (forma intermediária entre a larva e o inseto adulto) com duros casulos castanhos. Após seis semanas estão adultas, prontas para carregar os tripanossomos.


Nome popular
: Mosca-caçadora
Nome científico:Asilus crabroniformis

Medindo cerca de 3 centímetros este inseto vive na Europa, Ásia e norte da África. Alimenta-se de insetos ou animais mortos. Com um enorme apetite ela ataca insetos maiores que ela, tais com: grilos, gafanhotos, libélulas etc.

Ela ataca de surpresa, age durante o dia, apanhando a presa em pleno vôo, leva sua vítima para um local calmo, onde suga tudo que ela tem por dentro deixando apenas uma casca vazia.

Este inseto é muito feroz e chegam a comer umas às outras, o único momento que o macho tem para acasalar em segurança é quando a fêmea esta se comendo, ocupada, pois ela pode atacá-lo.